terça-feira, 12 de novembro de 2013

O machismo despedaça e aprisiona mulheres... e homens também.


"A mulher é a pior machista!"

Você já ouviu isso? Eu já ouvi uma quantidade enorme de vezes. E embora considere a afirmativa uma daquelas provocações das mais baratas em parte não tenho como discordar. A mulher via de regra é machista e ponto. Ora bolas... a sociedade é machista, a mulher faz parte dela, a mulher é machista. É isso!

E honestamente nem poderia ser diferente. 

O machismo precisa tornar as mulheres machistas para que ele continue se perpetuando. A culpa é da mulher? Não! Ela é vítima e é a principal vítima. A questão colocada aqui e agora não é de culpa nem de inocência. O machismo é um fato, assim como o racismo o é. Por incrível que possa parecer para alguns, assim como mulheres são machistas, negros são racistas. Absurdo? Não! A sociedade é machista e racista! E mulheres e negros não são elementos de fora da sociedade. Fazem parte dela. São vítimas do machismo e do racismo que os submete ao ponto de reproduzir o machismo e o racismo.

O simples fato de, nós, negros, nos colocarmos como "marrons" ou "moreninhos" é um sintoma do racismo. Quantos de nós, negros e negras, não nos enxergamos feios? Quantos não desejamos ter por exemplo um cabelo mais lisinho? O racismo, assim como o machismo, não são meros preconceitos individuais. São características da sociedade capitalista moderna que se alimenta da opressão para continuar existindo. É verdade que somos menos racistas e machistas que aqueles que viveram há uma século atrás. A isso damos graças aos avanços e vitórias do movimento de mulheres e de negros de todo o mundo. Mas seguimos vivendo nessa sociedade capitalista, e assim como não existe capitalismo sem racismo, não existe capitalismo sem machismo. 

Tudo bem até aqui?

Foquemos no tema do machismo então.

Desde pequenas mulheres aprendem a ser donas de casa. E isso não é só nas brincadeiras de boneca ou de casinha. Muito cedo elas assumem tarefas domésticas. Assim como aprendem a ser vaidosas, a se pintar, a "ser bonitas" aprendem a lavar suas peças íntimas, a arrumar seus quartos, a cuidar do irmão mais novo, a ajudar na cozinha, e um largo etcétera. Desde pequenas mulheres são moldadas a ser donas de casa, mas não só isso. Aprendem a respeitar o pai, mais até do que a mãe. Aprendem a se calar, a não questionar e inclusive a ser frágil. Ninguém diz a uma menina que não chore quando se machuca. Não se diz: "Deixe de bobagem, menina! Engula esse choro! Seja MULHER!". Não! Nossa sociedade ensina desde cedo às meninas a serem as mulheres que precisarão ser. E a pior das maldades, cabe às próprias mulheres, como mães, repassarem tal fardo às meninas.

Mas a tragédia não está completa.

Não só ensinamos meninas a aceitar o papel de oprimidas. Ensinamos também os meninos a se tornarem os opressores. Ensinamos desde cedo a ser HOMENS. Hoje até que não se repete mais com tanta frequência a frase de que "Homem não chora" mas o fato de não a dizermos não quer dizer que não seja exatamente esse o comportamento que esperamos dos meninos. Que se machuquem, engulam o choro e muito mais. Que subam nas árvores, que corram, arremessem pedras, joguem bola, não tragam desaforo pra casa, que sejam atletas... Que não façam absolutamente nada ou quase nada em casa. Meninos não lavam suas roupas íntimas, não arrumam suas próprias camas, não lavam sequer os pratos que sujam. Meninos devem proteger seus irmãos mais novos na escola mas isso é bem diferente de cuidar deles o que via de regra compete às meninas. E mais uma vez adivinhem a quem cabe o papel de ensinar meninos a ser os homens do amanhã? Pois é. Em primeiro lugar cabe a própria mãe.

A opressão é tanta e tanta que faz da principal vítima o principal fio do condutor do machismo.

E quanto aos homens? O que são eles? Os principais beneficiários dessa sociedade doentia?

É fácil imaginar isso quando só se olha pro produto acabado: o homem machista em seu estado adulto. Só olhando para a construção desse homem é que se pode ter noção do quão violento pode ser forjá-lo. Meninos devem ser fortes, predadores, perigosos, em suma... pequenos homens. E se não corresponderem às expectativas que aguentem a pressão, pra dizer o mínimo, dos colegas de escola a lhe chamar de "mulherzinha", "viado" e todo tipo de "insulto" que se possa imaginar. E esteja certo que tal como ocorre com as mulheres, da agressão moral para a agressão física é um quase nada. E é a isso que se chama benefício?

Não!

O machismo não nos liberta enquanto homens. O machismo nos aprisiona. Não somos beneficiários. Somos prisioneiros. Muitas das vezes nos tornamos monstros e aprendemos até a acreditar que gostamos disso. Mas honestamente se isso é um benefício é no mínimo daqueles que nos despedaça e nos consome.

O machismo só faz bem àqueles que o utilizam como instrumento de exploração e só poderá ser vencido se encarado exatamente assim.