sábado, 9 de novembro de 2013

"Se o Estado é um instrumento de combate não pararemos até o destruí-lo" (ouça EINA cantando O Estado e a Revolução)

O grupo basco EINA está na estrada das músicas engajadas desde 1992 quando era conhecido como Inadaptats. De lá pra cá tem cativado fãs não só na Catalunha, como na Espanha e Portugal com suas letras politizadas como por exemplo "O Estado e a Revolução" com referências a Marx, Engels e Lênin. Vale conhecer e divulgar.



Não, não choraremos nunca mais
Chega de lamber nossas feridas pelos golpes da vida
Tantos erros convertidos em temores
Morreram utopias
Buscamos outras vias
Somos filhos dessas ruas
onde morreram tantos proletários
deixando de herança as suas experiências
Tantos combates onde fomos derrotados
Não repetiremos a história!
Agora viveremos a glória!

Sempre o que trabalha
não detém os meios que lhe dão trabalho
Não temos mais do que as feridas!
As nossas mãos são o nosso capital!

Tudo, tudo que aprendemos é guia para os proletários!
Marx, Engels, Lênin
Karl Marx, Engels, Lênin
Se o Estado é um instrumento de combate
não pararemos até o destruí-lo
e gritaremos: Vitória!

Sempre o que trabalha
não detém os meios que lhe dão trabalho
Não temos mais do que as feridas!
As nossas mãos são o nosso capital!

O Socialismo abre as portas para construir
a democracia real!

Sempre o que trabalha
não detém os meios que lhe dão trabalho
Não temos mais do que as feridas!
As nossas mãos são o nosso capital!

O Socialismo abre as portas para construir
a democracia real!

O comunismo é a nossa meta
onde celebraremos a extinção de todo o Estado
a extinção de todo o Estado!