sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

A voz brasileira silenciada no "The Voice BraZil"


Quase trinta milhões de votos deram ao cearense Sam Alves o título de "A voz do Brasil" no novo "reality show" da TV brasileira. Ganhou Sam, aliás "Sæm" segundo os próprios pais, com aquela pronuncia bem americanizada com o "a" pendendo pro "e".  Pois é, ganhou "Sæm", perdeu a música brasileira. Isso mesmo. A disputa foi inclusive inusitada. Enquanto o grande vencedor interpretou “Hallellujah”, canção do canadense Leonard Cohen, seus concorrentes cantaram Tim Maia ("Me dê motivo"), Dominguinhos ("De volta pro aconchego") e Renato Russo ("Monte Castelo"), três monstros sagrados da música e da voz brasileira, todos batidos pelos gritos estridentes, ainda que afinados, do cearense.

Diferente de sua primeira temporada, onde Ellen Oléria, uma mulher, negra, lésbica e musicalmente brasileiríssima arrastou o título de "a Voz", desta vez o "The Voice" brasileiro meio que atingiu seu apogeu, consagrando um homem, branco, cearense ainda que só de feto, enquanto que de fato mesmo, é estadunidense em todos os sentidos. E quando falo em todos os sentidos, não me refiro unicamente à pessoa do artista, mas em especial ao seu próprio cantar, bem no estilo Whitney Huston, e completamente importado lá das terras do norte e massificado pela grande industria fonográfica.

A cada quinta-feira um pouco da nossa brasilidade foi sendo silenciada. E aqui não me refiro sequer ao cantar em inglês, nada disso. É possível cantar em português e ainda assim não cantar o Brasil. "Sæm" fez isso, por exemplo, em seu "Hallelujah". Aliás, façamos justiça, não só ele. Da mesma forma, é possível cantar em inglês e ainda assim cantar muito de nossa identidade, a banda Sepultura, por exemplo faz isso.

Insisto: essa não é uma questão de forma. É de conteúdo.

No "The Voice" a voz do Brasil com toda sua riqueza cultural foi sendo calada, semana atrás da outra. A exclusão da potiguar Khristal foi um enorme acinte. A da carioca e sambista Gabby Moura deixou de novo o "morro sem vez". A do cearense Marcos Lessa e sua voz que nos remetia a Emilio Santiago, foi de uma frustração inenarrável. E poderíamos citar muitos outros que cantaram o samba, o rock, o sertanejo, a MPB, e muito mais. Por fim, veio a derrota de Lucy Alves, em uma de suas apresentações mais emocionantes, e que quase que inevitavelmente me trouxe a mente a ideia de que levamos uma goleada do time adversário e que ainda por cima ao celebrar seus gols pediu silêncio pra nossa torcida.

É claro que nossa voz e nossa arte é muito mais que um programa da Rede Globo. Mas é bom que estejamos preparados. O resultado do segundo "The Voice" é meio que só uma anunciação. Muitos "Sæms" ainda estão por vir.