quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

As bobagens que se diz por aí: "Como pode ser de esquerda e beber coca-cola?"


Se fala muita bobagem da esquerda por aí. Uma dessas bobagens é aquela da tal "incoerência" entre ser de esquerda e beber Coca-Cola, comer McDonnald's, usar Microsoft Windows, etc, etc e mais outro tanto de etcéteras. Já ouvi cada uma das ditas incoerências que citei acima e inclusive usadas contra mim. Bom... não sou muito fã de Coca-cola, sanduíches do McDonald's, nem muito menos do Windows, mas não por me reivindicar de esquerda, aliás, acho uma imensa asneira vincular uma coisa à outra. Não sou fã porque prefiro outros produtos, seja porque deixei de gostar de refrigerantes, acho horríveis aqueles sanduíches produzidos em série e considero o Windows uma verdadeira bosta (pelo menos até o Windows 7). Nem por isso deixaria de consumir cada um desses esses produtos caso fosse necessário e de modo algum me sentiria nenhum pouquinho a menos de esquerda por isso.

Sim é verdade que Coca-cola é um simbolo do capitalismo desde muito antes do RPM cantar que a China já a bebia lá pelos idos de 1985. Da mesma forma é verdade que o "M" amarelo da grande fast-food estadunidense e seu palhaço Ronald são a cara do consumismo moderno. E, sim, a Microsoft tornou Bill Gates, um dos homens mais ricos do mundo por anos a fio. Mas levar o que é fato ao extremo de traçar como um verdadeiro certificado de esquerda a não utilização de qualquer um desses produtos é de uma idiotice digna de quem tem preguiça, mas muita preguiça mesmo, de pensar um pouquinho que seja.

Em certa medida o raciocínio é similar ao que levou o movimento operário em seu nascedouro a se enfrentar com as máquinas no início do século XIX. Pois bem, não são as máquinas ou as coisas que elas produzem que fazem do capitalismo o que é. São as relações sociais. Que os ludistas culpassem as máquinas ainda se consegue dar o desconto de ter de enfrentar a revolução industrial, agora depois de mais de 200 anos da bandalheira do capital, sacar essas comparaçõezinhas, é muita dificuldade de raciocínio. Então, pra deixar claro o quanto esse tipo de consumo influencia no teor de esquerda de alguém vale dizer que se um ativista for a uma passeata contra a exploração em sua categoria e em seguida for comer um hamburguer sem gosto do McDonnalds, esse cara é sim de esquerda, e honestamente será muito mais de esquerda, do que aquele que fica em casa lendo livros de economia política comprados em sebo tomando chazinho e sem nunca ter levantado um único dedo para defender suas posições.

Um amigo uma vez me disse que no socialismo não se deixaria de produzir Coca-Cola. Pelo contrário, ela seria servida encanada na casa de cada trabalhador. Espero que no socialismo consigamos produzir coisas muito mais saborosas e saudáveis do que o tal refrigerante de cola, mas gosto muito do argumento desse meu amigo. No fim das contas nada melhor que um exagero para combater e ridicularizar outro. Que venha encanada então. Tenho a ligeira impressão que Che aprovaria.