segunda-feira, 29 de julho de 2013

Afinal de contas o que foram as jornadas de junho? Ricardo Antunes e Ruy Braga nos ajudam a tentar entender.

O mês de julho vai chegando aos seus últimos dias e ainda que tenhamos vivido importantes manifestações e até mesmo um importante dia nacional de lutas, não vimos mais nenhum grande levante coordenado ou mesmo que de forma isolada nos últimos dias. Sim, tivemos ocupações de câmaras municipais, belas passeatas e até mesmo muita repressão. Mas nada mais como o que vimos na segunda quinzena de junho com mais de um milhão e quatrocentas mil pessoas protestando em mais de 130 cidades em todo o país em um único dia. Ainda que não tenha atingido sequer um por cento dos nossos 190 milhões de habitantes, foi sem dúvida a primeira grande onda de protestos dos últimos vinte anos no Brasil.

Alguns eufóricos e apressados dirão que a camisa de força que prendia a classe trabalhadora e a juventude no país foi rompida em um ato de impressionismo que nada ajuda a entender o que se passou e o que se passa na luta de classes do país. Essa prática nociva de agitar exageros descabidos empurra os ativistas para o movimentismo frenético e desenfreado que não só de nada adianta, como no fim das contas atrapalha e muito.

Nesses dias em que vivemos é preciso mais que antes duvidar das fórmulas prontas. É preciso questionar. E em especial é preciso se esforçar para entender. 

Como parte deste esforço, dois importantes intelectuais da esquerda revolucionária do país produziram juntos ao final do mês de junho um texto chamado "A explosão social no Brasil: Primeiras anotações (para uma análise posterior)" publicado originalmente em espanhol e que por sua importância traduzimos e disponibilizamos aqui.  Boa leitura.