terça-feira, 17 de setembro de 2013

Perdeu Emicida... nenhum machismo merece respeito

Já postamos bastante sobre o trabalho de Emicida. Sempre mereceu nosso respeito. Até que escreveu e cantou "Trepadeira" com direito até a meter o velho Wilson das Neves nessa besteira. História feia que dá até vergonha alheia. Falou o que quis e ouviu o que não quis. Foi alvo de mil e um protestos feministas, peia pra mais de cem e comeu tudo sozinho. E pior, ou melhor, que foi merecido bem mais que merecido. Mas não deixou por isso e respondeu com uma rima dessa vez falada ao invés da cantada. Até que valeu mas simplesmente não convenceu. Valeu porque é bom ouvir alguém alçado ao patamar de ídolo pop dizer que o machismo tem que ser combatido e que sim, "mulheres devem ser livres, pra escolher, viu, es-co-lher, jamais pra encolher". Mas ao mesmo tempo não convenceu na medida em que se defende dizendo que qualquer um tem direito a cantar o que bem entender. Sério? Ainda que o que cante seja o chamado à intolerância e à violência contra a mulher? Pois sinto muito, Emicida, mas mais uma vez não deu. Sua emenda não corrigiu o soneto. No fim das contas pra quem está tão acostumado com as vitórias nas batalhas de versos é bom que se diga que dessa vez Emicida perdeu... nenhum machismo merece respeito.

Poema por poema fico com o da Verinha da Silveira.

"Ouvi teu poema com som de canção
Mas esta melodia não alivia meu coração
Não adianta dizer que disse outrora
Se o que me maltrata é o que cantas agora.

Eu, assim como todas as mulheres, como você diz
Merecemos respeito, merecemos uma vida feliz
Por que cantastes então censurando nossa liberdade
Vestindo de macho recalcado seu personagem?

Por que cantas que merecemos apanhar ? Me diz?
Por que cantas que merecemos ser envenenadas?
Por que cantas que a mulher livre merece ser depreciada?
Por que cantas se não acredita nesta moral infeliz?

Não me venha com poeminha cheio de demagogia,
Discurso bonito? Qualquer um pode fazer sobre a laje fria.
O homem que nos romanceia, é o mesmo que nos mata,
Queremos respeito, não suas rimas dissimuladas.

Disseste que tens o direito de cantar sobre o quiser...
Cantas! Grite ao mundo todo teu direito de oprimir!
Deslize em suas melodias a opressão contra a mulher,
Só não tente com hipocrisia do que cantas se redimir."