quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

G1 promove anti-jornalismo pra atingir Marcelo Freixo e criminalizar movimentos sociais


Parece brincadeira mas não é.  Apesar de engraçado foi exatamente isso, tirando os bonequinhos é claro, que o G1 publicou em sua página no dia 09/02. A manchete é claramente uma obra prima do anti-jornalismo no melhor estilo global. O senhor Roberto Amigão da Ditadura Marinho deve estar pulando de orgulho no além túmulo. O bom e velho vale tudo para criminalizar movimentos sociais e desafetos políticos voltou a ordem do dia.

Teoria da conspiração? Deixa disso menino! É bom que você saiba que as organizações Roberto Marinho são campeãs olímpicas em mentira e manipulação.

Por acaso você conhece o episódio da falsificação descarada associando o então presidenciável Lula com o sequestro do empresário Abílio Diniz em 1989? Não? Pois façamos uma rápida recapitulação:
  1. No dia 11 de dezembro de 1989 militantes da organização chilena MIR sequestraram o dono do Pão de Açucar para financiar às Forças Populares de Libertação de El Salvador.
  2. No sábado, dia 16/12, o sequestro chegou ao fim, com os guerrilheiros sendo presos vestindo a camisa da campanha eleitoral do PT. No lugar, vários materiais de campanha foram encontrados.
  3. Do dia 16 até o resultado da eleição ser conhecido a imprensa bombardeou a informação do envolvimento dos sequestradores com Lula.
  4. O jornal o Globo do dia 18/12 destacava "Tuma assegurou que os terroristas integram duas organizações de extrema esquerda no Chile - Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR) e Organização de Resistência Armada (Ora) e que em poder dos que foram presos foi apreendido material de propaganda política do PT".
  5. No dia 17/12 houve o segundo turno da eleição que deu a vitória a Fernando Collor de Melo.
  6. Poucos dias após a eleição a imprensa passou a desmentir quaisquer envolvimentos entre o candidato derrotado e o episódio do sequestro. 
  7. Em seu livro "Pão de Fel: utopias revolucionárias ao seqüestro de Abílio Diniz", Raimundo Rosélio, o único brasileiro que participou da operação de sequestro, faz o relato do dia em que o cativeiro caiu e como foi forçado pela polícia a vestir a camisa do Lula antes de sair da casa para que pudesse ser exibido para os jornalistas que aguardavam ansiosos pelas imagens que envolveriam o presidenciável petista com o episódio.
Bonito não?

Pois bem... o intuito da grande imprensa em dezembro de 1989 é exatamente o mesmo de agora. Aproveitar um fato condenável e associá-lo a todo custo a um de seus desafetos que tendo em vista o aquecimento das lutas estaria bem no páreo eleitoral de outubro próximo. O problema para os jornalões é que 2014 não é 1989. Mídias sociais existem e fazem circular informação em uma velocidade mais que estonteante. E pra piorar a situação deles as eleições ainda estão bem distantes dando tempo suficiente para que as muitas mentiras possam ser desmentidas.

E por falar em mentiras, o rojão que matou o cinegrafista Santiago Andrade nos leva a outro grande episódio de nossa história que vale muito a pena relembrar: O atentado do Rio Centro em 1982. Dele você lembra, né? Não? Bem... esse deixamos para recapitular em outra oportunidade. Mas até lá vê se faz um favor a você mesmo: Pare de acreditar nas Sheherazades, Jabor's e Mirians Leitão da vida.