domingo, 18 de setembro de 2011

Tahrir, indignados por toda Europa, estudantes no Chile e agora #occupywallstreet

"Alguma coisa está fora da ordem, fora da nova ordem mundial" nos cantava Caetano em 1991. Vinte anos depois o refrão parece se encaixar ainda melhor com a realidade. Dois mil e onze ainda tem pela frente mais de três meses dos seus doze e já nos apresentou tantas e tantas peripécias que é possível imaginar que alguma coisa começa a transbordar para além do que os "grandes" conseguem controlar.

Tahrir foi o começo de tudo com milhares de egípcios cansados de tanto Mubarak. Trinta anos de Mubarak, medo, desemprego, salários de fome, trabalho precário e violência policial. Um dia isso tudo cansa.

E depois de Tahrir, o mundo árabe não foi mais o mesmo. Não só caiu Mubarak, como o próprio Muammar Gaddafi, amigo íntimo de Berlusconi, também se foi.

Na Europa, manifestações pipocaram de março em diante ocupando praças e mais praças. Na Espanha não faltaram praças ocupadas. Em Portugal a "geração à rasca", que em bom português de seria algo como geração desesperada, tomou as ruas. E na Grécia... esses sim sabem fazer protesto: greves e mais greves deixam o governo de Karolos Papúlias e Geórgios Papandréu em mals bocados.

E como não poderia deixar de ser o bom sangue latino não deixou por menos e milhares de estudantes chilenos acompanhados por seus pais e professores tomaram as ruas em defesa da educação pública. E logo no Chile, onde depois do porrete de Pinochet tudo parecia tão pacífico e ordeiro.

Mas de fato algo parece realmente estar fora de ordem quando a máscara de Gui Fawkes chega a Wall Street e a hashtag #occupywallstreet é bloqueada no twitter.

O que mais nos reserva 2011?