segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Estupro? Que estupro? Foi só uma brincadeira de rapazes


Está no site "Jornal Já" em um artigo assinado por Renan Antunes de Oliveira. O título é "Farda nunca mais" e conta a história do pracinha gaucho de 19 anos que recebe o apelido de DPK. “Eles me jogaram de bruços na cama e taparam minha boca pra não gritar”, conta o garoto sobre o episódio em que quatro "colegas" do quartel o estupraram enquanto um outro vigiava a porta e mais 14 assistiram sem fazer absolutamente nada.

Superada a vergonha, DPK teve a coragem de denunciar e exigir do exército que investigasse e punisse. Qual a reação da corporação? Negar, acobertar e culpar a vítima que só podia ser homossexual por gostar de ouvir e se vestir como os meninos da banda Restart. A principal declaração para o episódio é do general Sérgio Etchegoyen, que diz que o caso não passou de uma "brincadeira entre os rapazes".

A história demonstra a natureza violenta e desumana das forças armadas. Merece e precisa ser divulgada. Parabéns ao "Jornal Já" e ao jornalista Renan Antunes pela forma tão envolvente que nos relata tamanho absurdo.

Eis o link: Farda nunca mais.