domingo, 18 de março de 2012

Ela também tem culpa? #FimDaViolenciaContraMulher


Há alguns dias atrás estava contando a uns colegas de trabalho um episódio que minha esposa e eu presenciamos de uma estupidez de um marmanjo contra sua namorada em um bar da cidade. O cara se levanta aos gritos diante de dois casais de amigos joga uma caixa de fósforo no rosto da menina, em seguida joga o maço de cigarros e sai a deixando sozinha e humilhada na frente dos outros. De uma cena daquela pra um soco, tapa ou safanão faltou muito pouco. Minha amada postou sobre o assunto em seu blog no dia seguinte ao ocorrido (leia aqui). Bem... mal terminei de contar a história um dos meus colegas me veio com um "Ah cara... quer saber? Ela também tem culpa. Se ela sabe que o cara é violento, o que é que está fazendo com ele?". Daí a um "tem mulher que gosta de apanhar" faltou quase nada, não é mesmo? Mas afinal de contas, o que aquela garota, assim como muitas outras mulheres mundo afora, fazem convivendo com homens violentos? Por que elas simplesmente não escolhem largá-los?

A questão é absolutamente complexa e possui muitas variáveis a se analisar. Mas uma coisa é certa: imputar à vítima a culpa pela agressão não é, em hipótese alguma, a melhor resposta para o problema.

Bem... eu sou daqueles que teimo em defender que todos somos aquilo que aprendermos a ser. E ser diferente daquilo que aprendemos mesmo depois de adultos é a mais difícil das opções. Homens aprendem a ser os homens que são. Aprenderam através dos pais, dos amigos, dos programas de TV, da escola, dos ensinamentos religiosos e de suas inúmeras experiências pessoais. As mulheres também (postei sobre isso aqui faz pouco tempo).

Se é pra ser tão fácil pra mulher se afastar de homens violentos, não deveria ser mais fácil para o homem simplesmente não agredir? A decisão de bater não foi dele? Ele não poderia simplesmente ter decidido não bater? Mas como decidir por isso, quando ele simplesmente não aprendeu a ser diferente?

Uma sociedade machista, violenta e opressora propaga por todos seus poros machismo, violência e opressão. É essa sociedade doentia a maior culpada. As corporações que se alimentam e lucram dessa doença também são culpadas. Os governos de plantão que administram os negócios dessas empresas são culpados. Os meninos que de aprendizes de agressores passam a algozes são culpados. As vítimas da violência, que aprenderam desde sempre a ser submissas, a sofrer caladas, a não revidar e serem boas meninas, por mais que mais tarde ensinem seus filhos e filhas a serem homens e mulheres tal como a sociedade espera, essas são tão somente, as principais vítimas.