quinta-feira, 10 de maio de 2012

Trotskistas se esbaldavam nos prostíbulos do Brasil em 1911 e tiraram a virgindade de Ho Chi Minh?


Saiu em alguns jornais nos últimos dias a notícia de que Ho Chi Minh perdeu a virgindade lá pelos idos de 1911 no Brasil quando o navio francês em que o vietnamita trabalhava como cozinheiro aportou no Rio de Janeiro (veja aqui e aqui) . Segundo o que nos conta a "notícia" a proeza de ajudar a "tornar homem" o futuro líder revolucionário teria cabido a um grupo de trotskistas que teria apresentado ao rapaz as "delícias da vida" em uma zona de baixo meretrício.

Originalmente o assunto me chamou atenção pelo fato de trotskistas brasileiros serem clientes de prostíbulos o que embora seja absolutamente possível é uma contradição das mais absurdas na medida em que o próprio Trotsky dizia por exemplo que seria "imperdoável falar do triunfo do socialismo enquanto subsista a prostituição". (ver A Revolução Traída)

Mas eis que reparei com mais cuidado na data da visita do vietnamita ao Brasil que ao que consta ocorreu mesmo no ano de 1911. Bem, ou os trotskistas inventaram uma máquina do tempo ou a informação de que eles foram os grandes colaboradores da perda da virgindade de Ho Chi Minh é pra lá de estapafúrdia. Por que? Porque não existiam trotskistas em 1911 em lugar nenhum do mundo, quanto mais no Brasil. Nem o próprio Davidovich era trotskista nessa época. Até 1911 os revolucionários de todo mundo estavam nas fileiras da II Internacional, a primeira guerra mundial não havia dado ainda sequer seu primeiro tiro, os mencheviques e os bolcheviques na Rússia czarista, embora divididos, estavam ainda sobre a mesma bandeira do POSDR. Enfim, não existia o "trotskismo".

Fiz um esforço então para tentar verificar se àquela época existiam ativistas que viriam a se tornar seguidores de Trotsky no Brasil e não tive o menor sucesso. Os futuros primeiros trotskistas brasileiros como o cearense Lívio Xavier e o pernambucano Mário Pedrosa estavam com seus 11 anos de idade. Muito difícil crer que os meninos introduziram o mancebo Ho Chi Minh na vida do mal caminho.

Nem de longe podemos afirmar que não existam trotskistas (ou pseudo-trotskistas) tanto no passado como no presente que embora tenham dito ou ainda digam que a prostituição seja um mal que escraviza e coisifica as mulheres, tenham sido clientes da prostituição. Seria no mínimo ingenuidade de minha parte. Aliás creio que seja até fácil associar o trotskismo ao episódio em função do tipo de militância que a corrente gerou a partir dos anos 1970, onde o discurso da liberdade sexual é muito forte e os limites dos desvios morais são muito tênues. Mas daí a colocá-los como os "bon vivants" de 1911 é, digamos assim, esticar demais.