sábado, 23 de março de 2013

Francisco irá reformar a igreja? Tá! Mas quer saber? Não há demão de tinta que dê jeito.


Muito se falou sobre o novo sumo pontífice da igreja católica, o argentino Bergoglio, agora papa Francisco. E muita besteira se falou. Uma grande partes delas, brincadeiras bobas sobre a nacionalidade do homem. Mas as mais irritantes são aquelas que dão a entender que o novo herói católico, com sua simplicidade e amor aos pobres, salvará a igreja de si mesma. Santa idiotice.

Não entro nem no mérito da boa vontade do argentino em combater a pedofilia, coisa que nenhum papa até agora fez, nem mesmo João Paulo II ou Bento XVI. Então digamos que sim, que Bergoglio iniciará um enfrentamento verdadeiro no espírito de não transferir de uma paróquia a outra, mas de expulsar mesmo da igreja e entregar à justiça os padres, frades, bispos e cardeais criminosos. Se isso acontecer estaremos diante de um dos maiores expurgos já vistos em uma organização religiosa e isso por si só seria uma benfeitoria sem tamanho ao mundo.

Digamos ainda que Francisco, como homem simples que é, decida simplesmente não morar nos palácios suntuosos da capital mundial do catolicismo, bagunçando mesmo sem querer a máquina oficial, que segundo dados oficiais do próprio Vaticano, emprega 4862 pessoas, arrecada 1,1 bilhões de reais por ano e gasta 1,05 bilhões de reais (os números referente ao ano de 2010). E se for adiante e resolver bater de frente como os homens do dinheiro de sua igreja, coisa que por muito menos teria levado à morte em 1978 o italiano Albino Luciani, o João Paulo I, 33 dias após sua escolha como papa. Se for audacioso o suficiente e duro na queda o suficiente, ao ponto de tornar pública as tenebrosas relações financeiras do grande banco católico, os desdobramentos do ponto de vista da tranquilidade dos capitalistas seriam desastrosas... pelo menos para alguns capitalistas e por outro lado, uma benção para todos nós, os explorados de todo o planeta.

Bem... nem o expurgo dos pedófilos, nem a guerra santa contra os santos homens de negócio parecem hipóteses muito prováveis para o papado recém iniciado do argentino. Mas façamos um esforço para crer que dê uma louca no papa e o homem abrace o mundo das improbabilidades levando adiante uma muito bem-vinda lavandeira apostólica romana, ainda assim não estaríamos diante de uma mudança significativa capaz de "modernizar" a igreja tornando-a, como se diz, "mais humana".

Coisas como o fim do celibato, a ordenação de mulheres, a aceitação do divórcio, o uso de preservativo e de anticopecional, o aborto mesmo que em caso de estupro ou risco de morte para a mãe, o respeito à orientação sexual das pessoas e seu direito a uma união estável perante o Estado, entre outros, não estão em hipótese alguma em discussão com Francisco à frente do catolicismo. Algumas dessas santas intolerâncias, como o celibato, foram cunhadas no decorrer da construção do catolicismo ainda nos anos feudais e nada deixa a crer que isso possa ser revisto na era do capital e assim abrir o debate sobre herança e previdência das famílias dos clérigos. Mas outras, são a base da própria doutrina judaico-cristã que é misógina e homofóbica até a medula. Não faltam passagens no tal livro sagrado, do velho ao novo testamento, que alimentam desavergonhadamente a cultura machista.

Lá nas tais escrituras "sagradas" estão coisas como:
"Vós, mulheres sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido.” (Ef 5:22-24)
"A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição. Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão." (1Tm 2:11-14)
"Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas ao vosso próprio marido, para que também, se algum não obedece à palavra, pelo procedimento de sua mulher seja ganho sem palavra (...)" (Pe 3:1)
"O homem não deve cobrir a cabeça, porque ele é a imagem e o reflexo de Deus, a mulher, no entanto, é o reflexo do homem. Porque o homem não foi tirado da mulher, mas a mulher do homem. Nem o homem foi criado para a mulher, mas a mulher para o homem." (1Co 11:7-9)
"Que as mulheres fiquem caladas nas assembléias, como se faz em todas as igrejas dos cristãos, pois não lhes é permitido tomar a palavra. Devem ficar submissas, como diz também a lei. Se desejam instruir-se sobre algum ponto, perguntem aos maridos em casa; não é conveniente que a mulher fale nas assembléias." (1Co 14:34-35)
"Mulheres, sejam submissas a seus maridos, pois assim convém a mulheres cristãs." (Cl 3:18)
E para completar a cereja do bolo que tal essa belíssima orientação de como os devotos do deus de Abrãao devem tratar estupradores e suas vítimas:
"Se uma mulher for estuprada na cidade, e não gritar alto suficiente, ela deve ser apedrejada até à morte (Dt 22:23-24). Caso seja no campo, então ela vive (Dt 22:25). Enfim, se o estuprador for apanhado, ele deverá pagar uma quantia ao pai e casar com a estuprada." (Dt 22:28-29).
Então me perdoem meus amigos cristãos e católicos fervorosos ou não praticantes. A não ser que o tal Franscisco convoque a todos a queimar em praça pública suas bíblias, não serão quaisquer reformas que darão um novo ar à sua igreja.

Concluo este com dois videos que recomendo muito. O primeiro é o comentário de Luis Carlos Prates do último dia 14 de março sobre a necessidade de modernização da igreja e o segundo é do comediante Márcio Américo na figura do pastor Adélio falando sobre a Biblia. Bom proveito!