quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Mulher é vaidosa, delicada, carinhosa e já nasce com aquele "instinto materno". Não é mesmo?


Você acredita nisso? Até mesmo no tal "instinto materno"? Bom, se você é desses que acredita mesmo nisso então também de alguma forma também deve acreditar que "lugar de mulher é na cozinha" e outras idiotices do gênero. Não? Pois ambas as idéias (delicadeza e submissão) não passam de variações sobre o mesmo tema: o machismo. Todos cumprimos um papel social, somos moldados desde a primeira hora como numa verdadeira fábrica de fazer gente e se essa fábrica é machista, nós, via de regra, vamos aprender e reproduzir o machismo. E é isso. Sim... existem hormônios diferentes entre homens e mulheres, mas isso não se aplica ao fato de meninas serem carinhosas, delicadas, "prendadas" e gostarem de cor-de-rosa, enquanto meninos são destemidos, "heróicos" e até mesmo meio brutos. Não se nasce desce jeito. Se aprende a ser assim.

Meus pais tem duas netas e sete netos. Os meninos desde pivetes ganharam carrinhos, bolas, super-heróis, foram estimulados a andar só de cuecas ("deixa ele a vontade"), a não precisar ir ao banheiro pra fazer xixi ("faz ali na árvore") e outras coisas de meninos. Já as meninas ganharam vestidinhos novos a cada semana, eram enfeitadas e pararicadas como bonecas ("tá linda ela"), aprenderam a embalar suas filhinhas de brinquedo desde cedo e foram estimuladas a beijar e a beijar muito. Seria de se estranhar se eles não tivessem aprendidos a ser meninos e meninas tal como a sociedade espera que eles sejam.

Mas não é só a família quem cumpre esse papel modelador. A escola também faz isso com meninos e meninas de várias famílias diferentes meio que igualando seus valores sobre a supervisão de professores que via de regra somente reproduzem os costumes sociais vigentes. E, é claro, a indústria de uma forma geral não poderia ficar de fora da construção do homem valente e da mulher sensível do futuro, não só modelando e reproduzindo os valores e costumes como também faturando muito com isso. A indústria da moda faz isso com várias roupinhas no tom da estação, os saltinhos, acessórios e cosméticos infantis. A indústria midiática também faz isso com os desenhos animados estilo "my little poney", "barbie" e todas as suas princesas, além das revistas, livrinhos, e outras quinquilharias. E a indústria de brinquedos faz isso como ninguém. Penso que o video da pequena Riley é o que de melhor já foi feito do ponto de vista da contestação a tudo isso.



Se isso não lhe ajuda a pensar diferente sobre a docilidade genética das meninas não haverá muito que se possa fazer para que você pense diferente. De toda forma deixo recomendado também o video das meninas Luna e Mell mostrando que garotas também podem ser guerreiras espartanas, nem que seja no video-game. :)