sábado, 26 de novembro de 2011

E se nada acontecer? (Antônio Pinto de M. Filho)



E se nada acontecer?

Se os rostos deformados e os mendigos,
os olhos famintos e as mãos que interrogam,
a carne que sangra e afoga os desejos;
Se tudo isso se transformar em
cinza e ausência e a vida acenar ainda?

E se o silêncio pesar sobre o grito de angústia,
se a esfinge recolher seu sorriso transfigurado,
se todos os sonhos forem abortados...
e se nada acontecer?

E se tudo isso não tiver a menor importância?