quinta-feira, 19 de julho de 2012

Onde estão afinal as crianças negras? #RacismoAGenteVePorAqui

A revista Crescer, segundo ela própria, é uma fonte de "Informação e inspiração para mães e pais"... só que europeus pelo jeito.

Quem minimamente acompanha ou acompanhou a revista, nem que seja somente observando suas capas, tem ou já teve dificuldades de encontrar algum rostinho que não seja de uma criança branca, digna de uma Finlândia ou Suécia. Nada de negros, asiáticos, latinos ou qualquer outra corzinha brasileira que destoe um pouco que seja das bochechas rosadas e seus cabelinhos loiros e ruivos com seus olhinhos preferencialmente verdes ou azuis.

A jornalista Ericka Guimarães que há pouco mais de uma ano acompanha a revista não só percebeu o pequeno "descuido" da revista das organizações Globo como encaminhou um e-mail para a redação da revista perguntando "Cadê a diversidade?". A revista respondeu dizendo:
De fato, faz algum tempo que não temos capas com crianças negras, mas costumamos fazer muitas fotos com crianças de todas as raças em nossas reportagens, como você pode ver em todas as edições da Crescer.
Não satisfeita com a resposta (e alguém poderia ficar?) Ericka resolveu procurar as tais muitas fotos com crianças de todas as raças nas reportagens da revista e adivinhem só? Das 46 crianças que emprestam seus rostinhos para as reportagens da edição de julho de 2012, 3 são negras e 1 teria traços asiáticos. Pelo jeito seis por cento de negros e dois de asiáticos, já está acima da cota da tolerância à diversidade possível de ser exibida na revista.

Esperar o que da turma do seu Roberto Marinho não é mesmo?

A indignação da jornalista pode ser acompanhada em seu blog aqui e aqui.